Meio ambiente

Saiba tudo sobre a Ameba “Come Cérebro”

https://www.shutterstock.com/pt/image-illustration/braineating-amoeba-infection-naegleriasis-trophozite-infectious-784587502

As amebas de vida livre são conhecidas como protozoários que vivem naturalmente no solo e na água, sem risco para a saúde. No entanto, desde 1958, foram relatados casos de doenças provenientes de amebas de vida livre, Naegleria fowleri(Come Cérebro) e Acanthamoeba, com distribuição mundial, principalmente nos EUA, Reino Unido, Austrália, Nova Zelândia, Tchecoslováquia, Índia, Peru e México.

Ambos os gêneros são encontrados em climas tropicais e subtropicais, durante todo o ano, proliferando nos meses de verão. Foram detectados em redes públicas de água, piscinas, lagoas, lagos, rios, águas termais, lama, solos nus e encharcados, canais artificiais, águas residuais industriais, redes de água potável e água engarrafada.

Sintomas – ameba “Come Cérebro”

Os primeiros sintomas da encefalite amebiana primária aparecem cerca de 5 dias (1-7 dias) após a infecção e podem incluir dor de cabeça, febre, náuseas ou vômitos.

Os sintomas posteriores podem incluir rigidez no pescoço, confusão, falta de atenção aos outros e ao ambiente, perda de equilíbrio, convulsões e alucinações, por exemplo.

Após o início dos sintomas, a doença progride rapidamente e geralmente causa a morte em cerca de 5 dias (1 a 12 dias). A infecção destrói o tecido cerebral, o que causa inchaço do cérebro, e portanto, a morte.

A taxa de mortalidade da ameba Come Cérebro é, aliás, superior a 97%. Apenas 3 das 133 pessoas infectadas nos Estados Unidos entre 1962 e 2014 sobreviveram.

Em 2018, por exemplo, houve casos nos EUA, Argentina, Espanha e Peru, com mortes nos dois primeiros.

A Organização Mundial de Saúde declara os riscos associados à presença de amebas na água da piscina.

Prevenção

Devido ao risco sanitário que representa, ainda mais no Verão, é urgente a aplicação rigorosa dos critérios estabelecidos de acordo com o quadro legal de cada país para regulamentar os aspectos técnicos e administrativos da concepção, funcionamento, controle e vigilância sanitária das piscinas públicas e privadas.

Avaliação

A avaliação objetiva é realizada através de inspeções técnicas, assim como a amostragem da água nas piscinas por pessoal competente, a fim de garantir a validade dos resultados.

Estas amostras são submetidas ao laboratório para análises químicas e microbiológicas, entre outras.

Os resultados obtidos a partir da qualificação em cada monitoramento e inspeção devem ser publicados e comunicados ao público em geral, concluindo se piscinas são HABILITADAS ou NÃO HABILITADAS para uso.

A ALS fornece atualmente aos seus clientes a determinação de Naegleria fowleri e Acanthamoeba sp. em amostras de água de piscina a fim de garantir confiabilidade nesses resultados.

Compartilhe este conteúdo

Imprimir