Artigos, Tribologia

Entenda melhor as perdas dielétricas do óleo isolante

Conheça um pouco melhor o que são perdas dielétricas do óleo isolante e a importância de seu diagnóstico para transformadores elétricos.

O que são perdas dielétricas?

Teoricamente, isto é, em isolantes ideais, o material deveria atuar sem perdas ou fugas de corrente elétrica. O isolante ideal teria o comportamento de um capacitor elétrico. Porém, isolantes reais sofrem perdas, que são provenientes da parcela resistiva da corrente. A parcela resistiva está relacionada com a chamada “resistência de isolamento”.

Portanto, a perda dielétrica de um material isolante refere-se à quantidade de energia que é perdida na forma de calor pela substância isolante.

Como se medem as Perdas Dielétricas?

A amostra é colocada numa cuba com temperatura controlada. Placas metálicas aplicam uma tensão e são medidas as correntes elétricas resistiva (Ir) e capacitiva (Ic).

Calcula-se o fator fator de perda dielétrica (f):

f = Ir/Ic

O que ocasiona perdas dielétricas do óleo isolante?

As perdas dielétricas do óleo isolante dependem das características físico-químicas do material, tais como polarização e condutividade. Por isso, esse fator irá variar com a temperatura, frequência e umidade. A presença de compostos polares muda a direção do campo elétrico, o que implica maior gasto de energia pelo transformador.

Mas não apenas contaminantes externos podem agregar compostos polares. A degradação do papel celulósico isolante também produz estes compostos que podem migrar para o óleo isolante.

Desse modo, não apenas haverá aumento das perdas dielétricas no óleo isolante e da acidez, mas também ocorrerá redução na rigidez dielétrica e na tensão interfacial. A contaminação por água, a seu turno, conduz a acentuado decréscimo nas propriedades dielétricas do óleo.

Mas essa medição realmente auxilia? Já tenho medições de tantos parâmetros…

A determinação das perdas dielétricas é muito sensível. Tanto que permite acusar a presença de contaminantes mesmo quando seus teores são tão baixos que os exames químicos não conseguem detectá-los.

Enfim, quanto mais baixas forem as perdas dielétricas melhor.

Mas note que esta análise não indica quais são os contaminantes. É algo do tipo “tem algo errado aqui”. As ações de recondicionamento do óleo podem, então, ser programadas com segurança.

Entre em contato com a ALS Tribology Brasil e monitore com segurança seus equipamentos.

Compartilhe este conteúdo

Imprimir