Artigos, Tribologia

Componentes para um programa de análise de óleo bem-sucedido

Ao gerenciar um programa de análise de óleo bem-sucedido para a confiabilidade do ativo, há vários fatores que devem ser considerados. Se gerenciado adequadamente, um programa de testes bem-sucedido pode trazer um retorno significativo sobre o investimento. Para ajudar nesse esforço, a parceria com seu laboratório de testes ajudará a identificar considerações relevantes e a ajudar a estabelecer um processo gerenciável. Aqui estão alguns fatores que fornecem uma estratégia para o sucesso.

Seleção de equipamentos:

Qual equipamento deve ser selecionado para amostragem periódica e periódica para teste? Avaliar a importância de um equipamento para o sucesso de sua operação deve ser avaliado. Se uma máquina falhar, qual é a penalidade de falha no negócio? Geralmente, se houver um investimento de capital significativo em uma máquina, a proteção desse investimento deve ser um foco. O custo do tempo de inatividade, bem como o efeito negativo sobre outros equipamentos e processos, devem ser avaliados.

Estabelecer metas e metas a serem atingidas:

Trabalhe com o seu laboratório de testes para identificar quais metas e objetivos sua empresa deseja atingir por meio do teste dos lubrificantes em serviço em seu equipamento. Existem muitas áreas que podem ser consideradas. Diminuição do tempo de inatividade do equipamento e aumento da confiabilidade dos ativos. Abaixe o custo de propriedade. Maior valor de revenda e proteção de garantia. Maior vida útil do equipamento Otimize os intervalos de troca de óleo. Estas são apenas algumas das metas e metas que podem ser identificadas para obter um maior retorno sobre o investimento.

Estabelecendo pacotes de teste apropriados:

Uma vez que as metas e objetivos tenham sido identificados em torno de um programa de testes bem-sucedido, pacotes de testes apropriados podem ser estabelecidos para monitorar e fornecer mensuráveis para o sucesso. Os dados do teste devem fornecer orientação para práticas de manutenção ideais, evitando a manutenção preventiva não relacionada ou a manutenção de pouca pouca ação corretiva.

Frequência de amostragem:

As frequências de amostragem podem refletir a criticidade do equipamento, a idade do equipamento (novo ou mais antigo), histórico de confiabilidade, manter contribuidores de causa raiz dentro de limites estabelecidos (como limpeza), ambiente e severidade do ciclo de trabalho.

Método de amostragem e localização:

Padronizar os métodos de amostragem é muito importante para a integridade dos dados e considerações de segurança. Para integridade de dados, a consistência é o fator mais importante. Evite fontes de dados de lixo e garanta que a amostra capture informações que possam refletir a integridade real do equipamento e do lubrificante em serviço.

Processo de envio da amostra para o laboratório:

A pontualidade dos dados é sempre importante. A chave para isso é ter um processo para enviar e ter a amostra entregue ao laboratório de teste em tempo hábil. Não deixe as amostras ficarem prontas antes do envio. Certifique-se de que alguém é responsável pela entrega da amostra ao laboratório de teste. Além disso, o processo de envio deve garantir que as informações da amostra estejam completas e que a amostra seja adequadamente embalada para entrega sem vazamento.

Propriedade e acompanhamento dos dados de teste:

Este é um elemento chave para um programa de análise de óleo bem-sucedido. A propriedade do programa e os dados precisam ser estabelecidos pelo usuário final. Caso contrário, os problemas podem ser perdidos ou não acompanhados adequadamente. Isso é fundamental para atingir metas e maximizar o retorno sobre o investimento. Ter a posse do programa também estabelece um canal entre as pessoas responsáveis pela confiabilidade do ativo e o laboratório de testes.

Comunicação com o laboratório de testes:

Conforme observado na seção sobre a propriedade do programa de testes, a comunicação com o laboratório de testes ajuda a maximizar os benefícios do programa de testes e agregar valor aos dados de teste.

Práticas de monitoramento de integridade de ativos complementares:

Veja como os testes dos lubrificantes em serviço podem complementar outras práticas e ferramentas de manutenção. A análise de óleo não é um fim-tudo, mas pode percorrer um longo caminho na otimização da confiabilidade dos ativos quando usada em conjunto com outras disciplinas, como análise de vibração, sensores e termografia.

Revise o programa e faça os ajustes necessários:

É aí que um programa de análise de óleo bem-sucedido completa o ciclo. Revise periodicamente as metas e objetivos e como as práticas de amostragem e teste contribuem para o sucesso. Os dados refletem mensuráveis que ajudam a orientar os objetivos estabelecidos? Os objetivos mudaram ao longo do tempo? As frequências de amostragem estão ocorrendo com muita freqüência ou não o suficiente? Os critérios de seleção de equipamentos estabelecidos reconhecem todos os fatores para a confiabilidade dos ativos?

Estas são algumas considerações importantes para um programa de análise de óleo bem-sucedido. Os parâmetros podem mudar ao longo dos anos para que o gerenciamento dinâmico possa fazer qualquer ajuste necessário para manter o processo otimizado. O ALS pode ajudar no treinamento e possui ferramentas para determinar frequências de amostragem e retorno do investimento. Contacte-nos para mais informações.

Compartilhe este conteúdo

Imprimir